21/07/2021

LUIS CORREIA: Restaurante nega crime de transfobia, diz que personal discutiu com namorado e a acusa de não pagar os 10%

Estabelecimento esclarece que no dia seguinte ao ocorrido, Dani Venturinni voltou a estabelecimento e na recusa de pagar a a taxa de atendimento de 10% não foi atendida


A direção do restaurante ‘La Rond’, localizado no da orla da Praia de Atalaia, na cidade de Luís Correia, litoral do Piauí, que alvo de uma acusação de transfobia pela personal trainer e professora de dança na academia Time Fit em Teresina, Dani Venturinni uma nota de esclarecimento explicando o ocorrido e negando que tenha ocorrido o crime.

No texto, divulgado nesta terça-feira (20/07) a direção do estabelecimento diz que a personal já teria chegado ao local no dia 17 de julho portando bebidas particulares, o que está em desacordo com a política interna do estabelecimento, e foi advertida, mas que depois de uma conversa o bar abriu uma exceção.

“A verdade é que a cliente reclamante, que se apresentou como Dani, adentrou ao restaurante portando bebidas particulares, fato esse que está em desacordo com a política interna do estabelecimento, pois é permanentemente proibida essa prática por parte dos cientes”, diz trecho da nota enviada pelo proprietário do restaurante, que pediu para identificá-lo apenas como “Direção do bar e restaurante”.

Os representantes do estabelecimento ainda se defendem dizendo que tem 45 anos de existência com valores sólidos, não compactua e repudia qualquer tipo de ato de preconceito ou distinção de raça, cor, etnia, religião ou orientação sexual. Ainda e nota, o restaurante fala que a personal chegou a discutir com o companheiro de forma bastante acirrada e que foi preciso ser advertida pela segunda vez.

“Ocorre que no final da tarde do dia 17/07/2021 (sábado), a cliente discutia com o companheiro de forma bastante acirrada e precisou ser advertida na tentativa de diminuir os ânimos exaltados”.

Ao final da nota, o restaurante esclarece que no dia seguinte, ou seja, no domingo (18/07), Dani Venturinni voltou a estabelecimento e, por não querer pagar a taxa de atendimento de 10%, não foi atendida.

“Daí por diante toda a narrativa criada em atos de transfobia foram criados da cabeça de Dani, pois em nenhum momento foi alegado sua condição homoafetiva para não atendimento e sim a recusa em seguir as normas do restaurante, no caso o pagamento da taxa de atendimento aos garçons”, narra o estabelecimento.

A direção finaliza dizendo que está tomando todas as providências cabíveis e acredita que a verdade irá prevalecer e tudo será esclarecido.

“Estamos tomando as medidas cabíveis judicialmente. Tendo em vista que, ao momento da Sra. que se encontrava no restaurante e relatado temos imagens e testemunhas além de um B.O. (registrado), pouco depois do ocorrido que mostra ao contrário”, finaliza a nota.


ENTENDA O CASO

Personal trainer e professora de dança na academia Time Fit em Teresina, Dani Venturinni denunciou em seu Instagram, na tarde deste domingo (18/07), que foi vítima de transfobia em um restaurante da orla da Praia de Atalaia, na cidade de Luís Correia, litoral do Piauí. Ela marcou o perfil do OitoMeia em sua publicação nas redes sociais para acusar o estabelecimento. Segundo Dani, ela e a família aproveitaram o fim de semana para descansar nas praias do município localizado a cerca de 350 km da capital Teresina. O restaurante chama-se ‘La Rond’ e teria a discriminado pelo simples fato de estar ao lado do namorado, abraçada e se beijando. 

Veja vídeo divulgado por ela:


Fonte: Portal OitoMeia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Translate

Anuncio google

Racing