23/10/2018

Conselho de Medicina Veterinária do Piauí alerta para a prevenção da peste suína no Estado

Medium breeding 3739223 640

O Ministério da Agricultura detectou focos de peste suína em três cidades do interior do Ceará. O primeiro lugar com registro da doença foi o município de Forquilha, localizado na região norte do Estado, onde pelo menos 130 animais foram sacrificados em uma propriedade. O governo do Ceará decretou estado de emergência nas cidades com os focos da doença e alertou os produtores que não recebam ou vendam porcos para outras cidades. O Piauí está acompanhando a evolução dos casos e através dos órgãos de defesa vem tomando ações preventivas para conter o alastramento da doença nos municípios piauienses.

De acordo com o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Piauí (CRMV-PI), Anísio Lima, a peste suína clássica não é transmitida ao ser humano. A enfermidade gera impacto econômico na suinocultura, uma vez que rebanhos acometidos pela doença devem ser sacrificados. Ele também faz um alerta ao Governo para que ofereça condições estruturais aos órgãos públicos, para a prevenção da doença e assim, impedir o seu alastramento.

“Temos um foco no estado do Ceará e há uma necessidade de fortalecimento das barreiras móveis e fixas na entrada dos suínos. A suinocultura é uma realidade no Piauí, onde houve um crescimento exponencial dessa atividade no Estado. Essa doença não é uma zoonose, o seu impacto é observado na produção dos rebanhos que, se acometidos pela enfermidade, devem ser sacrificados na área focal e na área perifocal. Nós sabemos das dificuldades que perpassam os órgãos públicos, mas nesse momento é importante a sensibilidade dos governantes no tocante a prevenção e profilaxia. O CRMV-PI é um órgão articulador e mobilizador que vai alertar os órgãos para que as condições sejam proporcionadas aos profissionais para que eles possam desenvolver suas atividades. É preciso urgente que o Estado se mobilize levando os meios nos mais distantes pontos do Piauí e auxiliando para que os fiscais agropecuários e os pontos focais da Adapi possam se mobilizar junto aos criadores, fortalecendo as barreiras”, explicou o presidente.

Anísio Lima ainda declara que o Estado, com profissionais qualificados e centros de pesquisa, está preparado caso algum foco da doença seja registrado na região. Segundo ele, os criadores devem estar atentos aos sintomas da enfermidade e devem procurar um órgão de defesa ao observar características suspeitas nos rebanhos.

“Temos uma universidade preparada, centros de pesquisa, um quadro técnico de mais alto valor, profissionais gabaritados para agir no combate a essa enfermidade. A peste suína clássica é preventiva e precisa de monitoramento, dai a importância dos criadores estarem atentos. Animal com hemorragia, leitões amontoados nos cantos das pocilgas, manchas cianóticas na pele são alguns sintomas da doença. Ocorrendo esse sintoma, imediatamente o criador deve se dirigir ao escritório da Adapi do seu município e comunicar ao fiscal agropecuário, que sabe o que fazer”, afirmou o presidente do Conselho.

Fonte: AsCom, via 180

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Racing