06/03/2018

Governadores defendem que Febraban pague a conta pela insegurança no Nordeste

Foto: Benonias Cardoso

Os governadores do Nordeste vão propor que a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) ajude no financiamento de ações para combater aos assaltos aos bancos nos municípios. Os governadores presentes no Fórum Fórum dos Governadores do Nordeste, que acontece nesta terça-feira (7) em Teresina, concordam que os assaltos às agências bancárias criam um clima de insegurança nas cidades. 


A proposta foi levantada pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). 

"O drama é quem paga a conta (da integração das forças militares). A Febraban tem que pagar a conta", disse Flávio Dino. 

Ele relatou que a quadrilha batizada de "Novo Cangaço" não fecha cidades para roubar aparelhos celulares, mas de explodir agências bancárias.

"Vamos colocar a Febraban na mesa, incluir na lei, colocar taxas e isso valeria para empresas de valores também".

Integração precisa envolver os poderes

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, ressaltou em sua fala que a integração precisa envolver todos os poderes. Paulo Câmara defendeu também que o sistema de inteligência dos Estados trabalhem em conjunto.

Paulo Câmara concordou com o governador Flávio Dino (MA) de buscar ajuda da Febraban. Segundo o governador de Pernambuco o presidente Michel Temer não tem interesse de ajudar financeiramente os gestores do Nordeste.

"Os recursos (governo federal) não vão vir. O governo não tem expertise e não tem boa vontade. É preciso cobrar da Febraban". 

Foto: Wilson Filho/Cidadeverde.com

O governador Wellington Dias (PT) abriu oficialmente nesta terça-feira (6) o Fórum dos Governadores do Nordeste que debate propostas para a segurança pública. 

Dias fez o discurso da abertura e elencou os três principais pontos que serão tratados na reunião. Dos nove chefe do poder executivo estadual, oito estão participando do encontro em Teresina. 

Segundo Wellington Dias, o primeiro ponto é o sistema de inteligência. "Vamos apresentar o sistema de inteligência desenvolvido pela equipe da nossa Secretaria de Segurança. Isso passa pelo acompanhamento das facções criminosas", destacou.

O segundo ponto é a chamada Estratégia Nordeste, que corresponde na cooperação integrada. "É um termo de cooperação para integrar todas as forças em uma ação conjunta. É uma integração com o governo federal para multiplicar esforços", afirmou.

O último ponto trata de uma posição Nordeste. "Política Nacional de metas de médio e curto prazo. Saí políticas para daqui a duas décadas possamos alcançar em conjunto uma redução da criminalidade. A violência é hoje o principal problema do país e não apresentamos até agora uma definição efetiva", afirmou.

Segundo Wellington Dias, uma preocupação dos governadores é com o deslocamento de criminosos de Estados como o Rio de Janeiro para o Nordeste.

"Sabemos que quando ocorrem ações como a intervenção, criminosos se deslocam. Queremos evitar que o Nordeste seja o destino dessas pessoas. Para isso, nossa fronteiras precisam ser vigiadas com um trabalho integrado", disse.

Governadores presentes:

Robinson Faria (MDB) - Rio Grande do Norte
Renan Filho (PSD) - Alagoas
Rui Costa (PT) - Bahia
Flávio Dino (PC do B) - Maranhão
Ricardo Coutinho (PSD) - Paraíba
Camilo Santana (PT) - Ceará
Paulo Câmara (PSB) - Pernambuco
Wellington Dias (PT) - Piauí
O governador de Sergipe faltou - Jackson Barreto (MDB) - mas, enviou o vice.

Flash Lídia Brito e Yala Sena
redacao@cidadeverde.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Anuncio google