17/09/2017

No maior presídio do Piauí, 60 presos ficam soltos em ginásio sem grades

Detentos têm ainda "suítes exclusivas". Diretor da Sejus, Luis Pitombeira, diz que presos em ginásio cumprem pena por crimes menos graves.

Equipe de TV entra na Casa de Custódia e mostra privilégios de presos em presídio

Pelo menos 60 presos foram flagrados recebendo tratamento privilegiado no maior presídio do Piauí, a Casa de Custódia de Teresina. Devido à superlotação, eles estão no ginásio da unidade, sem algemas e com acesso até mesmo a TVs. O PI TV 1ª Edição deste sábado mostrou com exclusividade a situação na penitenciária, que possui apenas 336 vagas, mas hoje abriga 1.036 presos.

Os agentes penitenciários em greve desde segunda-feira (11) no Piauí, acompanharam a equipe da TV Clube e mostraram a situação. Segundo o diretor do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi), Vilobaldo Carvalho, os presos estão "jogados" no ginásio.

"Nós dizemos aqui que esses presos estão 'jogados', porque estão soltos, sem algemas, e é nítido ver os privilégios, como as TVs e os ventiladores, os colchões pelo pátio. Mas o que mais nos preocupa é a falta de segurança, porque não temos agentes para tomar conta de todos esses presos. Já houve fugas aqui, porque é totalmente aberto", disse Vilobaldo.

Presos por crimes menos graves ficam soltos em ginásio (Foto: Reprodução/TV Clube)

De acordo com o coronel Luis Antônio Pitombeira, diretor de inteligência e proteção externa da Secretaria estadual de Justiça, esses são presos que realizam trabalhos dentro do presídio, com bom comportamento e que cumprem pena por crimes de menor potencial ofensivo.

No presídio, segundo o sindicato, há celas para apenas um preso ocupada por 15 homens. Contudo, em outro espaço da unidade prisional, há celas que são comos suítes exclusivas. Há banheiros, camas, TVs e água encanada com funcionamento normal.

"Quem escolhe esses presos para esses espaços não são os agentes, é a direção", diz Vilobaldo.
Agentes penitenciários iniciam greve por tempo indeterminado no Piauí (Foto: Divulgação/Sinpoljuspi)

Neste sábado (16), os agentes denunciaram ainda a retirada de armas e munições de uso da categoria pela direção do presídio. A tentativa seria de enfraquecer o movimento e os próprios presos é que teriam feito esse serviço.

Vídeos feitos pelo Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi) mostram detentos retirando um material de uma sala e levando para a parte interna da Casa de Custódia nessa sexta-feira (15). São armas, coletes e 110 mil munições letais e não letais, de acordo com o sindicato.

"Esse material serve para evitar e controlar rebeliões. Manter a segurança do presídio. Tudo isso era função do Comando de Operações Especiais, mas retiraram os equipamentos de uma forma clandestina e totalmente irregular. Sendo que os próprios presos fizeram isso”, disse Kleiton Holanda, vice-presidente do sindicato.

Os agentes afirmam também que, durante a noite de ontem, cabos de câmeras de segurança foram desconectados e um equipamento de armazenamento de imagens sumiu da sala de observação.

Na quinta-feira (14) durante um motim, um preso foi atingido, perdendo um dedo do pé. Ele foi encaminhado ao Hospital de Urgência de Teresina onde foi submetido a uma cirurgia

Operação Habitar na Casa de Custódia de Teresina (Foto: Divulgação/Sejus)

As imagens da TV Clube mostram ainda os presos com celas abertas tomando banho de sol em um pátio do presídio, que possui nove pavilhões. Na guarita, não há vigilante. Um preso que se sente mal tem que ser levado para fora do presídio para ser atendido por falta de estrutura na parte de dentro.

Clima tenso
Nessa sexta-feira (15) ocorreram momentos de tensão nessa área da frente da Casa de Custódia. Impedidos de fazerem visitas desde o dia 11 desse mês, os familiares dos presos entraram pela parte de trás da penitenciária acompanhados da Polícia Militar, que recebeu a autorização do Tribunal de Justiça para intervir nesse serviço.

Os agentes fizeram um cordão de isolamento para impedir a visita e houve confusão. Depois de intensa negociação, as visitas foram permitida e voltaram a acontecer. Inicialmente, a greve manteve apenas 5% dos serviços funcionando, mas após decisão judicial estão mantendo 60%.



Diretor da Sejus fala sobre denúncias do Sinpoljuspi
O coronel Luis Antônio Pitombeira falou que os presos alojados no ginásio realizam trabalhos dentro do presídio, têm bom comportamento e cumprem pena por crimes de menor potencial. Além disso, seriam aqueles ameaçados por outros detentos.

O diretor relatou ainda que essa é uma situação temporária e que a Sejus está providenciando um local adequando para a remoção desses detentos. “Os presos têm direito a banheiro, a um espaço adequado. Os presos utilizam ventiladores por não ser um local adequado para eles ficarem presos e pelo clima que o estado tem”, disse.

Sobre a denúncia da retirada de armas e munições de uso da categoria o diretor explicou que o material permanece dentro do presídio. “Esse material permanece na Casa de Custódia. O Exército que regula a questão do uso desse tipo de material estabelece que deverá ser confinado em lugar adequado e no local onde estava não cumpria nenhuma norma de segurança exigida. O armamento foi retirado pela Polícia Militar e os presos simplesmente fizeram a retirada caixa de outros equipamentos que não eram armas e munições”, contou.

Os agentes permanecem em greve e nesta segunda-feira (18) informaram que farão nova assembleia para decidir os rumos do movimento grevista.

Fonte: G1/PI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Curta