10/11/2022

MP tenta transferir para Teresina menina agredida em Ilha Grande do Piauí

Menina não tem onde ficar quando deixar o hospital. Segundo o Conselho Tutelar, as agressoras seriam duas adolescentes de 12 e 14 anos que queriam se vingar da irmã da vítima.

Imagem: TV Clube

O Ministério Público do Piauí tenta transferir para Teresina a menina de 11 anos agredida no litoral do Piauí por duas adolescentes que seriam integrantes de uma facção criminosa. Segundo o promotor de Justiça Ruszel Lima, não há um local seguro para onde a vítima possa ir ao deixar o hospital.

"Infelizmente essa menina não vai poder voltar pra casa. O conselho tutelar já nos procurou querendo levar a criança para um acolhimento, mas Ilha Grande [onde a menina morava] não tem programa em funcionamento. Estamos desde ontem em contato com a secretaria assistência social de Ilha Grande para viabilizar o acolhimento em Teresina", relatou o promotor.

Ele destacou que 97% das cidades Piauí não possui abrigos para crianças em situação de vulnerabilidade. Piripiri e Parnaíba possuem apenas espaços municipais, para atender a população de suas cidades. Apenas Teresina possui um abrigo municipal.

Hospital Dirceu Arvoverde (Heda), em Parnaíba — Foto: Tiago Mendes/ TV Clube

A vítima, de apenas 11 anos, conforme relatou o promotor, morava com o pai em Luís Correia, mas este sofria com o abuso de álcool e por isso ela se mudou para Ilha Grande para viver com a mãe, o padrasto e a irmã, onde foi agredida. Ela não pode voltar para nenhuma das duas residência, sob a possibilidade de ter novamente seus direitos violados.

A menina continua internada em estado grave no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (Heda), em Parnaíba, após ser espancada. O crime ocorreu na noite de domingo (6) em Ilha Grande, mas apenas na quarta-feira (9) o MP tomou conhecimento.

Suspeitas de agressão são adolescentes

Segundo o Conselho Tutelar, as agressoras seriam duas adolescentes de 12 e 14 anos, integrantes de uma facção criminosa. Elas não foram apreendidas até o momento.

"A irmã da criança, uma adolescente de 15 anos, estaria sendo ameaçada por membros da facção, caso ela não aparecesse eles iriam se vingar na menina e isso aconteceu", revelou a conselheira Damiana da Paz, de Ilha Grande.

A mãe da criança registrou boletim de ocorrência e acusou duas adolescentes pela agressão. A menina sofreu lesões na cabeça e o seu estado é considerado grave.

Fonte: G1 PI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Racing