05/11/2021

Mulher suspeita de matar companheiro no Piauí é solta após polícia confirmar que ela agiu em legítima defesa

De acordo com o delegado Bruno Costa, responsável pelo caso, os dois mantinham um relacionamento há quatro anos e a mulher era constantemente agredida.

Delegacia de Água Branca, no Piauí — Foto: TV Clube

A mulher suspeita de matar o companheiro em Água Branca, a 99 km de Teresina, foi solta nesta quinta-feira (4) após as investigações confirmarem que ela agiu em legítima defesa, depois de ter sido agredida. O crime ocorreu na noite de quarta-feira (3) após uma luta corporal entre o casal.

De acordo com o delegado Bruno Costa, responsável pelo caso, os dois mantinham um relacionamento há quatro anos e a mulher era constantemente agredida. Após o exame de corpo e delito, foi confirmado que na noite do crime S.V.S, de 41 anos, foi agredida e tinha lesões na cabeça e membros superiores.

"Os vizinhos contaram que, por volta das 18h, o homem chegou até a casa da companheira. Ele derrubou a moto dela e quando a mulher tentou levantar o veiculo, ela começou a ser agredida com o capacete. Depois os dois se trancaram dentro de casa e começou uma serie de discussões, xingamentos e os vizinhos ouviram, mas acharam que não deveriam ligar para ninguém", explicou o delegado.

Ainda segundo a polícia, a mulher disse que horas depois saiu da casa com uma faca de cozinha na mão e pediu ajuda a uma vizinha, contando que seu marido tento esfaqueá-la , ela reagiu e sem querer atingiu a perna esquerda dele.

"Enquanto ela saiu de casa e pediu socorro, os vizinhos disseram que ele correu atrás dela, mas caiu na porta. A mulher ainda pediu para a vizinha ligar para o Samu e amarrou uma camisa na perna ferido para cessar o sangue", contou o delegado Bruno.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) atendeu a ocorrência, mas Kleber Teixeira de Sousa, de 41anos, morreu no veículo.

Legítima defesa
Depois de ouvir a mulher agredida, os depoimentos de testemunhas e analisar o exame de corpo e delito, o delegado Bruno Costa liberou a suspeita. O inquérito policial foi aberto e a mulher vai responder o processo em liberdade.

"Ela disse que nunca prestou queixa ou veio a delegacia registrar algum Boletim de Ocorrência, porque tinha medo dele e vergonha", destacou o delegado Bruno.

Como denunciar
É possível acionar a Polícia Militar, no momento da ocorrência, pelo número 190. Além disso, qualquer denúncia de violência pode ser relatada pelo 180, do Central de Atendimento à Mulher. Online, a vítima pode acionar a polícia pelo app Salve Maria.

Fonte: Portal G1 PI
*Estagiária sob supervisão de Catarina Costa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Translate

Anuncio google

Racing