17/12/2020

Donos de rede de restaurantes são presos suspeitos de fraudar pagamento de impostos no Piauí

Através da fraude, o grupo empresarial pagava o ICMS destinado a microempresas, apesar de ser um dos maiores do ramo em Teresina. O prejuízo causado ao Simples pode chegar aos R$ 3 milhões, segundo o Ministério Público.

Grincot em Teresina — Foto: TV Clube

Os donos de uma rede de restaurantes de culinária japonesa e mais cinco sócios foram presos nesta quarta-feira (16), suspeitos de montar um esquema para fraudar o benefício Simples, concedido para microempresas. Segundo o Grupo Interinstitucional de Combate aos Crimes contra a Ordem Tributária, do Ministério Público, o grupo teria causado um prejuízo de R$ 3 milhões ao Simples.

Segundo o delegado James Guerra, da Delegacia Especializada de Crimes Contra a Ordem Tributária (Deccortec), o grupo de restaurantes era formado por oito empresas, todas de propriedade do casal que liderava a organização. Entretanto, no papel cada empresa tinha um dono diferente, e pagava os impostos como empresas independentes.

“As empresas gozavam do benefício do Simples, quando o certo era eles calcularem o faturamento de todas”, explicou o delegado James Guerra.

O Simples é um regime tributário para micro e pequenas empresas em que os impostos federais, estaduais e municipais de forma unificada. O objetivo a simplificação da tributação para pequenos empreendedores, e prevê ainda descontos no pagamento de impostos e dívidas.

Organização criminosa e lavagem de dinheiro
O delegado James Guerra informou que os sete presos devem responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro e sonegação fiscal. Segundo ele, a investigação continua em busca de outra empresas do mesmo grupo em que a mesma fraude possa estar ocorrendo. A polícia ainda não conseguiu definir desde quando o esquema era operado, e por isso o prejuízo causado pelas fraudes pode ser maior.

Todas as oito empresas integravam um único grupo econômico, usando a mesma logomarca e anunciava todas as suas “lojas” em um mesmo endereço na internet. Entretanto, cada loja tinha um dono diferente, apesar de que todas eram comandados pelo casal de empresários que chefiava a organização.

Os verdadeiros donos usavam as outras pessoas como laranjas para abrirem empresas e contas bancárias, e utilizavam procurações públicas para movimentar as contas bancárias das empresas. Os laranjas eram um ex-funcionário do casal e parentes dele.

Assim, o grupo empresarial pagava o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) destinado a microempresas, apesar de ser, segundo o Grincot, um dos maiores do ramo em Teresina.

Fonte: Portal G1 PI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Translate

Anuncio google

Racing