17/05/2019

Quase 900 mulheres foram vítimas de violência sexual no Piauí em 2018

Foto: Pixabay

O Piauí registrou 6.830 atendimentos às mulheres vítimas de violência sexual nos últimos 15 anos, entre os anos de 2004 e 2018. A violência atingiu todas as faixas etárias, envolvendo desde menores de quatro anos a maiores de 60 anos. Os dados são do Serviço de Atenção às Mulheres Vítimas de Violência Sexual (Samvis). Só em 2018 foram 810 vítimas atendidas, sendo a maioria em Teresina, que registrou 481 casos. Parnaíba vem em seguida com 130 casos.

As vítimas que mais recorreram ao Samvis, nos últimos 15 anos, tinham de 10 a 19 anos, pois foram 4.012 atendimentos. Em seguida, crianças entre cinco e nove anos (1.133 atendimentos), jovens e adultas de 20 a 59 (979 atendimentos), menores de quatro anos (668 atendimentos) e maiores de 60 anos (38 atendimentos).

A assistência clínica e psicológica ocorreu por meio dos nove pólos do SAMVIS, localizados nas cidades de Teresina (5.334 atendimentos), Parnaíba (566), Bom Jesus (168), São Raimundo Nonato (153), Picos (409), Floriano (133), Corrente (38), Campo Maior (28) e Pedro II (01). 

Manifestação

Nesta sexta-feira (17), uma manifestação na Praça da Bandeira, no Centro de Teresina, chama a atenção para o enfrentamento e a necessidade urgente de combater ao abuso e à exploração sexual contra crianças e adolescentes. 

O ato faz referência ao 18 de Maio, Dia Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. 

A presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e dos Adolescentes, Luciana Evangelista, declarou ao Cidadeverde.com que o ato é uma maneira de sensibilizar a população para esse tipo de crime e orientar às pessoas sobre como denunciar os casos de violência. 

"A violência sexual atinge diversas áreas da pessoas humana. É uma violência física e psicológica. As pessoas que cometem esse tipo de crime contra crianças e adolescentes são referências de confiança para a maioria, como pais, avós e tios. Isso pode desencadear transtorno mental na vítima; um trauma para toda a vida", comenta Luciana Evangelista. 

Em alguns casos, as crianças e adolescentes chegam a engravidar dos próprios tios, pais e avós ao forçar a conjunção carnal. Rodrigues alerta que o simples toque já pode ser caracterizado como violência sexual. 

Além disso, as pessoas também podem ser denunciadas por importunação e compartilhamento de imagens envolvendo a sexualização de crianças e adolescentes.

No Samvis, as vítimas são acolhidas, passam por profilaxia das doenças sexualmente transmissíveis, como AIDS e Hepatite B; anticoncepção de emergência e acompanhamento bio-psico-social. 

Redes Sociais 

Luciana Evangelista também comentou que a exposição virtual de crianças e adolescentes nas redes sociais é um risco e aumenta os casos de assédio sexual. 

"O assédio sexual pelas redes sociais está forte. às vezes, as pessoas (os responsáveis pelas crianças) postam fotos sem perceber a gravidade disso. Publicam, de certa forma, imagens erotizadas (apenas de calcinha ou com o bumbum à mostra) nas redes sociais. Ninguém sabe quem é pedófilo, se o pai já violenta imagine 'um estranho' que está do outro lado da tela", alerta.

A orientação é de que os responsáveis evitem postar fotos de crianças nas redes sociais. "Nós precisamos ter mais zelos pelas nossas crianças e adolescentes", ressalta Luciana.

Como denunciar

Luciana Evangelista orienta que os casos envolvendo violência sexual contra criança e adolescentes podem ser denunciados pelo Disque 100. 

As denuncias também podem ser feitas por meio dos Conselhos Tutelares, das delegacias especializadas (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente), pela direção da escola e pelos hospitais, onde as vítimas podem buscar por atendimento. 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Racing