10/11/2018

Em reunião com conselheiros, Batista Filho explica prestação de contas questionadas pela Justiça

Pela 1ª vez após afastamento da presidência do Parnahyba, dirigente explica com mais detalhes situação que o tirou do cargo e apresenta documentos como provas. Gestor segue longe da presidência

Em reunião do Conselho, Batista Filho esclarece prestação de contas do Parnahyba

Desde que foi afastado do cargo de presidente do Parnahyba, em maio deste ano, Batista Filho sempre negou veementemente as acusações da falta de prestação de contas na gestão, um dos motivos da decisão judicial que o tirou da função. Mas foi em uma reunião com o Conselho Deliberativo do Auzlino, na noite da última quinta-feira, no litoral piauiense, que o presidente afastado explicou com mais detalhes toda a situação. Pela primeira vez, Batista apresentou documentos e mostrou aos conselheiros provas, reafirmando que as acusações tiveram "forma maldosas".

Reunião Conselho Deliberativo Parnahyba — Foto: José Francisco/TV Clube

- Não conseguiram liberar o dinheiro dois dias antes da final com o Altos. Pediram a uma pessoa que emprestasse dinheiro ao Parnahyba e pediram que eu desse cheque do clube para essa pessoa. Eu perguntei ao Carlos Eduardo na época como se prestava conta do dinheiro, e ele disse que não precisava. Eu acabei dando os cheques – explicou batista.

Cauteloso e sem revelar nomes, Batista deu continuidade aos esclarecimentos aos conselheiros. O cartola tentou explicar aos dirigentes alguns pontos ainda questionados pela a Justiça, que decidiu pelo afastamento imediato do gestor após ação da ala opositora no clube.

Batista Filho na FFP — Foto: Arthur Ribeiro/GloboEsporte.com

- O pessoal diz que não é para falar nome, mas foi ele (pessoa não identificada) quem emprestou o dinheiro e eu dei os cheques. Eu dei para que, assim que caísse o dinheiro das emendas, ele trocasse os cheques. O dinheiro não caiu dois dias depois, caiu um mês depois. Ele deu entrada nos cheques, eu peguei as cópias depois de sacado o dinheiro e saiu aí que a gente não prestou conta. Alguém vazou o documento e apareceu no Ministério Público – disse.

Ainda de acordo com Batista, os documentos da prestação de contas foram enviados via Federação de Futebol do Piauí à Confederação Brasileira de Futebol. Segundo ele, a entidade deu sinal verde para a papelada que constava a apresentação de gastos dos quatro anos de mandato.

Batista Filho — Foto: José Francisco/TV Clube

- Fui procurado pelo oficial de justiça para eu assinar o documento do Ministério Público arquivando o processo contra alguma coisa da eleição. Eu fui até a Federação, ao Cesarino, e eles usaram a Lei Pelé. Cesarino levou à CBF a minha prestação de contas e avisaram ao desembargador que estava tudo ok, inclusive eu prestei conta de todo o meu mandato, de 2014 a 2018 – esclareceu.

A decisão judicial que afastou Batista Filho do cargo máximo do clube originou após ação movida por Gringo, adversário político de Batista das eleições de outubro passado. Nos documentos do processo, constam supostas irregularidades cometidas pelo cartola.

- Eu ouvi os caras falando que o Parnahyba recebeu R$ 300 mil e não prestou conta. Você só recebe a segunda parcela quando presta conta da primeira. Eu tenho aqui o comprovante da segunda parcela e como é que eu recebi a segunda sem ter prestado conta da primeira? Estão divulgando em rádio de forma maldosa que estamos inadimplentes com o Governo do Estado e está aqui o comprovante da prestação de conta do Parnahyba com a Fundespi. Entreguei e protocolei na federação com o Cesarino ainda em vida – finalizou.

Batista Filho — Foto: José Francisco/TV Clube

O clube ainda aguarda uma definição judicial para iniciar o processo de montagem do time de 2019. Uma audiência marcada no Tribunal de Justiça de Teresina foi adiada e segue sem nova data para acontecer.

Fonte: Globoesporte.com, Piauí

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Racing