22/09/2017

Fiscais flagram trabalhadores em situação degradante no litoral


A reportagem do Portal Costa Norte acompanhou com exclusividade uma ação de combate ao trabalho escravo realizada nesta quinta-feira (21) na zona rural de Luís Correia, litoral do Piauí. A partir da rodovia PI-116, os auditores fiscais do Ministério do Trabalho se deslocaram até uma propriedade localizada no povoado Mexeriqueira, cujo acesso é feito por uma estrada vicinal aberta em meio à vegetação.

Os fiscais Paulo Cesar Lima e Ariosto Ibiapina adentaram o terreno e logo chegaram ao acampamento principal, onde já estavam boa parte dos 26 trabalhadores. O grupo era chefiado por José Araújo Filho, que prontamente se apresentou, argumentando que todos possuíam registro em carteira de trabalho. No entanto, as condições degradantes do local eram facilmente percebidas.


No primeiro momento, o experiente auditor procurou saber detalhes da situação, fez perguntas e em seguida anotou o nome e a função que cada um exerce na cadeia produtiva que tem como pano de fundo o vegetal escolhido – em recente consulta popular – como a árvore símbolo do Piauí: a Carnaúba. A retirada da palha do carnaubal é uma das principais atividades extrativistas entre os estados do Piauí, Ceará e Maranhão.


A alimentação era feita ali mesmo de forma improvisada e sem qualquer critério de higiene. Uma palhoça estava sendo utilizada como espaço para tomar banho. Para as demais necessidades, no entanto, não havia sequer um local definido. A fiscalização questionou também sobre os equipamentos de segurança. Um dos operários chegou a informar que o valor das botas que utilizava foi descontado do seu salário.

Todavia, de forma geral, os trabalhadores evitaram falar negativamente do serviço. Para eles, parecia não haver qualquer irregularidade. Quase todos vieram do vizinho estado do Ceará. Trata-se de atividade quase nômade. Neste caso específico, o terreno foi arrendado do proprietário por R$ 5 mil. A ideia é retirar 400 milheiros de palha em um tempo médio de dois meses. Depois disso o grupo se desloca para uma nova área, com carnaubal ainda intacto.


O livro de registro contábil foi sequestrado e também foi determinada a suspensão imediata dos trabalhos até que o responsável, juntamente com os funcionários, se apresente na sede do Ministério do Trabalho em Parnaíba para comprovar as informações prestadas e buscar soluções para os problemas encontrados. A fiscalização chegou a ir a outro ponto próximo dali, onde foram localizadas sacas do produto obtido com a carnaúba, prontas para a venda.

,

Segundo os auditores ficais do Ministério do Trabalho, não restaram dúvidas que os trabalhadores estavam em situação degradante e análoga à escravidão. “São condições totalmente degradantes. Começando pelo lugar onde estão instalados, a forma como dormem, a alimentação que é servida, o salário que estão recebendo. Muitos deles disseram desconhecer o local onde estavam”, disse Paulo Cesar Lima.

Fonte: Portal CN/Por Daniel Saturnino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Anuncio google