01/03/2018

Defesa contesta provas e recorre de 100 anos de condenação a mentor de estupro coletivo no Piauí

Adão José de Sousa foi condenado pelo estupro de quatro adolescentes e morte de uma das vítimas. Defensoria Pública afirma que provas do processo apontam para inocência do réu.

Adão José (Foto: Fernando Brito/G1 PI)

A defesa de Adão José de Sousa, 43 anos, condenado a 100 anos e 8 meses em regime fechadopor ser mentor do estupro coletivo de quatro adolescentes em maio de 2015, em Castelo do Piauí, 189 km de Teresina, recorreu da decisão do Tribunal do Júri nesta quarta-feira (28). De acordo com o defensor público Darcio Rufino as provas documentais do processo apontam para a não participação do réu no crime.

A condenação de Adão de Sousa foi proferida por volta das 4h desta quarta-feira (28) após cerca de 14 horas de julgamento. Logo em seguida, a defesa entrou com recurso afirmando que a perícia técnico-cientifica; o exame de DNA, com base no material biológico encontrado; as oitivas das vítimas e das testemunhas ilustram a ausência do réu no crime e mostram que sequer estava na cidade no dia do estupro coletivo.

A decisão de considerar Adão de Sousa culpado partiu de um júri formado por cinco mulheres e dois homens depois de aproximadamente duas horas de deliberação. O conselho de sentença entendeu que o réu participou do estupro e comandou os quatro adolescentes que o acompanharam no crime e já cumprem medida socioeducativa.

Defensor público Darcio Rufino entrou com recurso contra sentença (Foto: Reprodução / TV Clube)

Crime
Em 27 de maio de 2015 quatro adolescentes foram agredidas, estupradas e arremessadas do alto de um penhasco de cerca de 10 metros de altura, na cidade de Castelo do Piauí. Uma das jovens morreu 10 dias após o ocorrido.

Fonte: G1/PI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Anuncio google