11/03/2018

Batista Filho dispara críticas após empate polêmico: "Hora de rever a arbitragem"

Dirigente do Tubarão diz que árbitros locais tem qualidade, mas não apitam no Piauí com mesma concentração de competições regionais e nacionais: "Apitam por apitar"

Batista Filho em discussão com Diego Castro após o fim da partida (Foto: Wenner Tito/GloboEsporte.com)

O presidente do Parnahyba, Batista Filho, saiu do Albertão na noite deste sábado bastante exaltado com o árbitro Diego Castro, após o empate contra o Piauí por 2 a 2. O dirigente reclama da marcação de pênaltis inexistentes, além de deixar de marcar um a favor do Tubarão, e que isto comprometeu todo o ano de trabalho do clube. Batista ainda dispara contra o quadro de árbitros do estado em geral, alegando que as atuações nas competições locais deixam a desejar e que os erros de arbitragem não são punidos.

- Eu não sei que providência tomar. Vamos entrar com uma ação, ele vai ser punido um jogo e voltar a apitar. Meus jogadores estão três expulsos, vamos estar todos quebrados para o jogo contra o River-PI e fazer o quê? A arbitragem nunca é punida. Faz o que faz e pronto, fica por isso mesmo. A gente tem que ter uma postura, punir os times, mas punir a arbitragem. Vi as imagens de uma briga na torcida e nem em súmula foi constado. É uma vergonha, está na hora de a gente rever a nossa arbitragem. Tem árbitros bons, tem bandeirinhas bons, de qualidade, que trabalham em competições a nível de Nordeste e a nível nacional, mas chega aqui e não tem a mesma concentração. Apitam por apitar, cometem erros grotescos e fica por isso mesmo. É triste para o futebol piauiense - disse o presidente na saída do campo.

Batista enumera uma sequência de lances que, em sua visão, foram erros que influenciaram diretamente no resultado do jogo. Até mesmo o pênalti marcado a favor do Parnahyba, quando o Tubarão abriu o placar, é colocado em dúvida. No entanto, nos minutos finais, ele reclama de uma bola no braço de um jogador do Piauí onde a penalidade não foi marcada, após o gol de empate do Enxuga Rato.

- O lance do primeiro pênalti ele deu para justificar o outro que tinha dado lá, que eu nem sei também se foi pênalti. E agora dá um pênalti desses aos 47 minutos, o cara deu um tapa, se jogou e ele deu o pênalti. Ainda expulsou o Ramon de jogo porque foi reclamar. Aos 50 minutos, dentro da grande área, claríssimo, o cara meteu a mão na bola, o braço aberto, ele deu escanteio e disse que o braço estava colado no corpo - reclamou o dirigente parnaibano.

Batista chega a elogiar Diego Castro, mas destaca que sua atuação no jogo deste sábado, em sua visão, deixou a desejar e comprometeu os planos do Parnahyba no campeonato. Além dos pênaltis, três jogadores do Tubarão foram expulsos: Ramon, logo após a marcação dos terceiro pênalti, e Alex Santos e Ítalo, durante a confusão depois do apito final.


- É prejudicar demais um time que já não está jogando bem, e aí você acaba com o trabalho de um ano inteiro. Ele tirou o Parnahyba do campeonato, praticamente. O Parnahyba não vinha jogando bem o segundo tempo, mas fez um gol, estava se segurando, e infelizmente ele acabou com isso. É uma das pessoas que eu até tenho um respeito, mas foi muito infeliz na arbitragem - afirmou.

Batista Filho, presidente do Parnahyba (Foto: Wenner Tito/GloboEsporte.com)

Com o resultado, o Parnahyba permaneceu na quinta posição do Campeonato Piauiense, com oito pontos. Dependendo dos outros jogos da rodada, o Tubarão pode ficar a três pontos de distância do G-4, faltando dois jogos para encerrar a primeira fase.

Fonte: Globoesporte.com, Piauí

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

Nossa matérias em seu E_mail

Digite seu endereço de e-mail:

Entregue por PHBemNota

Anuncio google